Preso usando documento falso, filho de condenada por caso Evandro fica em silêncio durante interrogatório policial

Filho de condenada por caso Evandro foi flagrado cometendo assassinato. — Foto: Reprodução/CâmeraDeSegurança

G1 Paraná

Luccas Abagge, 32 anos, preso ao entrar no Brasil com documento falso, no sábado (18), permaneceu em silêncio durante o interrogatório policial, de acordo com a polícia. Ele é filho de Beatriz Abagge, uma das condenadas pela morte do menino Evandro Ramos Caetano, em Guaratuba (PR). Conforme a Polícia Civil, o homem utilizava documentos falsos com o nome de Evandro Oliveira Ribeiro.

Conforme a delegada que registrou o caso, Marianne de Souza, Luccas permanece preso em Ponta Porã (MS), a 313 km de Campo Grande. “Ele não falou no interrogatório e se negou a assinar as peças do flagrante”, detalhou a delegada ao g1.

Prisão

Luccas foi preso, no sábado (18), ao atravessar a fronteira com o Paraguai e adentrar em Mato Grosso do Sul em um veículo com os faróis apagados. O comportamento chamou a atenção de uma equipe da Polícia Militar (PM) que abordou o motorista.

No veículo, Lucas estava na companhia da esposa. Ele apresentou uma Carteira Nacional de Habilitação (CNH) com o nome de Evandro Oliveira Ribeiro. Porém, quando as autoridades consultaram o documento na Secretaria Nacional de Trânsito (Senatran), apareceu a foto de outro condutor.

Ao checarem o sistema do Paraná, os policiais constataram que o motorista era Luccas Abagge, filho de Beatriz Abagge, uma das condenadas pela morte do menino Evandro Caetano. Conforme o Ministério Público do Paraná (MP-PR), o crime ocorreu em 1992, em Guaratuba, no litoral do estado.

Após a identificação de Luccas, ele foi encaminhado para a 1ª Delegacia de Polícia de Ponta Porã. De acordo com o registro policial, foi necessário usar algemas para garantir a segurança do mesmo e dos policiais, pois o homem estava “muito agressivo e nervoso”. Ele permanece preso na delegacia por uso de documento falso.

Veja também...