CidadesColunistasLingua de TrapoÚltimas Notícias

Língua de trapo: fim do recesso nas Câmaras

O Foca acompanhou a primeira sessão do segundo semestre da Câmara de Vereadores de Fazenda Rio Grande. Das seis atas de sessões anteriores, que foram colocadas em votação pela edilidade fazendense, a vereadora Isabel Baran votou contra todas. Mas qual o motivo? Por que não se manifestou? Eu, hein! Claro que o vereador não é obrigado a aceitar tudo, mas votar contra a formulação de seis atas, merecia ao menos explicação, né Isabel?

Falando na vereadora Isabel Baran, o Foca vem tentando falar com a mesma há muito tempo. Mas o número que ela costumava enviar convites para as sessões, não atende nem com reza brava. Será que ela mudou o número do celular? Se mudou, deveria comunicar os seus eleitores! O Foca quer saber sobre a campanha de Isabel, candidata a deputada federal, mas está difícil.

Tramita no legislativo fazendense o projeto do vereador Policial Batista, que prevê punição para os comerciantes que vendem produtos ilícitos (frutos de roubo, furto e contrabando). A punição é a cassação dos alvarás de funcionamento e pena ainda ao dono do estabelecimento. Dando uma pesquisada no “Google”, este tipo de projeto existe em centenas de municípios do Brasil. Mas, de toda forma, parabéns ao Batista pela iniciativa.

+ Vereador Rafael Campaner repudia ação no STF sobre descriminalização do aborto

Pelos legislativos da região, o que se percebe que as sessões viraram palanque eleitoral. Vereadores, ao invés de defender os interesses da população, defendem os próprios. Estão a pedir votos para candidatos a deputado estadual, federal, senador etc. e tal. Certamente que devem estar levando algumas quireras.

Um pai de um menino, que está por completar 1 aninho de vida, levou o filho para ser vacinado no posto de saúde do Bairro Santa Terezinha. Ele chegou à unidade perto das 16h, na última terça-feira, porém não conseguiu imunizar a criança. Segundo ele, a atendente afirmou ter passado do horário. E o pai pergunta como pode negar a vacina, se o posto atende até às 17h? Voltou para casa e retornaria no dia seguinte, bem antes do horário para a vacinação.

Perguntar não ofende: A CPI que investiga atestados duvidosos de “alguns” médicos que atendem na UPA de Fazenda Rio Grande, foi concluída?

O que chamou atenção do Foca foi um pequeno desentendimento em Plenário, lá em Agudos do Sul. Um dos projetos, que trata de algumas mudanças na Lei Orgânica, teve sua primeira votação. Antes dos votos, o vereador Zezo pediu vista, alegando que não quer aprovar algo que não esteja na devida legalidade. O presidente da Casa, Jessé Zoellner, disse que o projeto tramita na casa há dois meses e que o colega já devia tê-lo analisado. Aí, colocou em votação o pedido de Zezo. Por empate, Jessé teve que decidir e acabou vetando o pedido. O projeto seguiu para votação e, no fim da sessão, Jessé até pediu desculpas para o colega. Eita!

Na tribuna, Jessé citou todos os nomes de deputados que ajudaram a cidade nos últimos anos. Como é ano de eleição, ele diz que muitos tentarão se aproveitar do momento para pedir votos em Agudos. O que, para ele, é injusto, já que durante quatro anos de mandato, nenhuma vez perguntaram se a cidade precisava de algo. Tá certíssimo, vereador. Segue aqui a lista apresentada por ele: Francisco Bührer, Luiz Carlos Martins, Missionário Ricardo Arruda, Alexandre Curi e Nelson Justus. De Federal, ele listou Leopoldo Meyer, João Arruda, Francischini, Toninho, Luiz Nihimori, Takayama e Evandro Roman.

+ Ministério Público corta convênios com hospitais de referência

Lá em Mandirituba, a vice-prefeita Rosilene Weber (que inclusive assumirá a Prefeitura nos próximos dias), comentou que 600 kg de alimentos arrecadados na Festa de Aniversário da cidade, tiveram que ser descartados. Isso porque alguns desavisados doaram os mantimentos já vencidos. O Foca acha isso muito feio! E vale também para roupas, brinquedos. Várias vezes vemos por aí notícias sobre objetos completamente destruídos que vão pra doação. Poxa, joga fora então!

Outra coisa que deixou o Foca muito chateado, foi saber que o incêndio, que matou a pequena Letícia, em Areia Branca dos Assis, é algo muito frequente por lá. Isso por causa das ligações irregulares de energia na cidade. Parece que fios são puxados para três, quatro famílias em situação de vulnerabilidade. Aí, incêndios assim são muito frequentes. Que tristeza!

Em meio a isso, porém, muita gente tem ajudado. Já foram diversas doações e, entre elas, uma casa! O imóvel já está sendo levado ao terreno da família, inclusive. Muita gente também doou materiais de construção, roupas, móveis… e teve ainda quem se dispôs a ajudar a construir a outra casa (já que duas famílias foram afetadas). O Jornal O Repórter gostaria de lembrar: estamos levando doações até essas famílias, basta entrar em contato conosco, que buscamos o que você tiver aí!

Quem está de parabéns em Mandirituba é a secretária Fransueile e todos os guardas e policiais. Segundo ela, em 30 dias, mais de 20 prisões foram efetuadas. Isso graças aos bloqueios que eles têm realizado na cidade. Inclusive, ela pediu que a população colabore e compreenda: os bloqueios não são para prender cidadão de bem. No máximo, orientá-los. A ideia é justamente encontrar delinquentes!

O prefeito Luis Antônio atende à agenda com tranquilidade, mas um dos olhos está sempre no computador. É de onde ele vê os atendimentos no hospital e postos de saúde. Se, pelo visor, ele entender que alguma coisa está errada, liga imediatamente para a unidade para saber o que está acontecendo. Como os servidores já sabem da mania do prefeito Luis, fazem de tudo para atender com qualidade a população.

Em Mandirituba, em meio à discussão sobre perda de convênio das cidades com hospitais de Curitiba, o vereador Felipe Machado lembrou algo dito por Ciro Gomes em uma entrevista. Segundo ele, o ex-prefeito de Curitiba, Gustavo Fruet, já foi notificado pelo Ministério Público a instalar banheiros em todos os Pontos de ônibus da cidade. “O MP tem que deixar o prefeito administrar a cidade!”, comentou Machado. O Foca também acha!

Algo que o Foca ficou pensando após assistir algumas sessões por aí, é que alguma coisa devia mudar. Será ensinar jurisdiquês nas escolas ou torná-lo mais acessível, principalmente em sessões de Câmara? A impressão que dá, é que esses projetos não foram feitos para serem entendidos pela população. Porque não é possível! É um inciso disso, daquilo, umas palavras que a gente nunca nem achou que existiam… Difícil acompanhar sem dormir, hein? E olha que o Foca gosta de política!

Bom final de semana a todos e todas. A equipe do Jornal O Repórter deseja a todos os pais, um Feliz Dia!

Continuar lendo

Artigos Relacionados

Skip to content