DestaqueFazenda Rio Grande

Fazenda Rio Grande se une contra o feminicídio

A Secretaria Municipal da Mulher realizou no último dia 22, em frente à sede da Prefeitura de Fazenda Rio Grande, uma grande ação de conscientização da população alusiva ao Dia Estadual de Combate ao Feminicídio.

A secretária da Mulher, Cíntia Wozniack, ressaltou a importância da data e a necessidade de levar à toda a comunidade os conceitos e também informações sobre o tema.

“É importante para todas as mulheres conhecerem as atividades que temos desenvolvido, os locais que podem recorrer caso necessitem, assim como, obter mais informações sobre os direitos e os cuidados que devem ter”, avaliou.

A blitz educativa contou com o apoio do Conselho de Comunidades, Guarda Municipal de Fazenda Rio Grande, Faztrans e OAB São José dos Pinhais.

 

O que é:

O dia 22 de julho foi instituído no Paraná como o Dia Estadual de Enfrentamento ao Feminicídio, por meio da Lei 19.873/2019. A escolha da data se deve à morte da advogada Tatiane Spitzner, em 22 de julho de 2018, em Guarapuava (PR), que chocou o Brasil e fez o país debater mais profundamente a questão da violência contra a mulher.

 

Feminicídio: 

O feminicídio é o homicídio praticado contra a mulher – menosprezo pela condição feminina ou discriminação de gênero, fatores que também podem envolver violência sexual – ou em decorrência de violência doméstica.

A lei 13.104/15 (março de 2015), mais conhecida como Lei do Feminicídio, alterou o Código Penal brasileiro, incluindo o feminicídio como um tipo de homicídio qualificado, um crime hediondo.

Não é qualquer assassinato de mulheres que se enquadra como feminicídio.  Quando o assassinato de uma mulher é decorrente, por exemplo, de latrocínio (roubo seguido de morte) ou de uma briga simples entre desconhecidos ou é praticado por outra mulher, não há a configuração de feminicídio.

 

A lei somente aplica-se nos casos descritos a seguir:

1) quando o crime resulta da violência doméstica ou é praticado junto a ela, ou seja, quando o assassino é um familiar da vítima ou já manteve algum tipo de laço afetivo com ela (Esse tipo de feminicídio é o mais comum no Brasil).

2) Menosprezo ou discriminação contra a condição da mulher: quando a violência contra a mulher é praticada, comumente, por desconhecidos, geralmente com a presença de violência sexual. A Mulher foi tratada com menosprezo, como um objeto, justamente por ser mulher.

Importante ressaltar que a maior parte desses crimes é praticada por homens que vivem ou viveram com a vítima, sendo namorados, parceiros sexuais ou maridos.

Pena:

A pena para o assassino é a prisão, de doze a trinta anos, podendo ser aumentada de acordo com alguns outros critérios previstos na Lei (Por exemplo, durante a gestação ou nos 3 (três) meses posteriores ao parto;

contra mulher menor de 14 (catorze) anos, maior de 60 (sessenta) anos ou com deficiência; etc).

 

Números:

O Brasil tem a quinta maior taxa de feminicídios no mundo. Segundo dados do Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, no ano passado (2018) em todo o Brasil, 4.254 mulheres foram assassinadas e o número de feminicídios foi de 1.135.

 

No Paraná:

Segundo a Secretaria de Segurança Pública do Paraná (Sesp-PR): em 2017, foram 182 mortes de mulheres no Paraná: 41 mortes por feminicídio.

Em 2018, 162 mulheres foram mortas no Paraná: 61 por feminicídio.

 

Em Fazenda Rio Grande:

2019 registrou dois casos de feminicídio em FRG, ambos em janeiro (Um caso no Gralha Azul, e o caso Daniela).

 

Combate ao feminicídio:

Por vezes, mulheres sofrem diversos tipos de violência de gênero até que lhe seja tirada a vida.

Esse tipo de cultura machista de violência contra a mulher somente pode ser revertido com políticas públicas que promovam a educação, o respeito e a igualdade de gênero e a aplicação de leis, como a Lei Maria da Penha e a Lei do Feminicídio.

É preciso levar informações, acolher, garantir segurança e promover o empoderamento das mulheres que são vítimas de violência.

 

 Ações da Secretaria da Mulher de Fazenda Rio Grande:

A Secretaria Municipal da Mulher desenvolve importantes ações para combater toda e qualquer forma de violência contra a mulher e o feminicídio.

1) Núcleo da Mulher Fazendense:

O Núcleo está localizado no prédio da Secretaria, ao lado da Delegacia Cidadã. O objetivo do Núcleo é:  acolher e orientar a vítima;

– Em parceria com a Delegacia, seguir com as providências e dar celeridade aos procedimentos de Boletim de Ocorrência, Medida Protetiva, etc.

– Encaminhar para exames periciais;

– Encaminhar para outros serviços e programas da rede de proteção.

 

2) Patrulha Mulher Segura:

Parceria da SMM com a Secretaria de Defesa Social.

Dois guardas municipais (Um homem e uma mulher) acompanham a mulher à sua residência para o caso de retirada de seus pertences pessoais.

 

3) Articulação com instituições de abrigo para a proteção provisória de mulheres em outros municípios.

 

4) Projeto “Bem Me Quer, Bem Me Quer” que, de forma sistemática, leva informação para a comunidade sobre tipos de violência contra a mulher, bem como sobre os canais de denúncia e atendimento.

 

5) Diagnóstico e Mapa da Violência contra a Mulher em Fazenda Rio Grande:

O diagnóstico está sendo aperfeiçoado para disponibilizar informações que poderão nortear cada vez mais as ações desenvolvidas para mulheres em todas as políticas públicas do município.

Tags
Continuar lendo

Artigos Relacionados

Skip to content