Ex-vereador Madrão questiona campanhas milionárias em FRG

O Foca, dando uma avaliada nos candidatos a vereador, pela região, levantou que alguns sequer moram no município onde concorrem a uma das vagas ao legislativo. Apenas mantém o domicílio eleitoral e, que só aparecem em campanhas pedir votos. Pensam que enganam os eleitores, que estão por dentro de tudo. Nas urnas, vão levar o famoso “basta”.

O ex-vereador Magrão, de Fazenda Rio Grande, num bate papo com Pedro Bala, no programa Café com o Bala, na última segunda-feira, disparou sua metralhadora para todos os lados. Falou, de forma generalizada, quem é quem no município. Criticou a forma como o município vem sendo administrado nos últimos anos e, defendeu a renovação na prefeitura. Magrão é candidato a vereador, na chapa do empresário Ricardo Miranda.

Magrão comentou algumas campanhas milionárias, que, em sua opinião, os candidatos gastam uma fortuna com carros de som, cabos eleitorais, santinhos. “O que estão gastando na campanha, não ganharão nem o dobro do que gastaram”, cutucou Magrão. E, não é que o moço tem razão!

Pelo que deu a entender, Magrão fala de Julinho do Pesque, que está com equipes volumosas pelas esquinas de Fazenda Rio Grande, portando bandeiras, usando jalecos, etc e tal. Quanto isso está custando? Foi a indagação de Magrão na entrevista com o Pedro. Com a palavra Julinho do Pesque!

Campanhas a prefeito, por outro lado, ainda não ganharam as ruas. Pelo visto, tem candidato sem dim dim para contratar cabos eleitorais ou imprimir santinhos. Só são vistos, por hora, nas redes sociais. Mas o dinheiro do Fundão? Que pobreza gente!

Maria do Dog, João da Pizza, Luiz do Ônibus, Benedito da Caixa, Pedro da Ciretran, Malu Cabelereira, entre outros, são alguns nomes que aparecem nas propagandas do rádio e TV. É uma forma encontrada para se identificar com o eleitorado.

E os candidatos a prefeituras da região, continuam com a mesmice. Que vão acabar com os cargos comissionados e que vão valorizar os funcionários de carreiras. Mas, e os apoiadores de campanha, vão ficar sem a “boquinha” nas barrosas? É ruim!

O Foca questiona uma pesquisa feita em um município da região sul. Entre votos válidos para o candidato que contratou o levantamento e, o adversário, o percentual foi de 101 por cento. Sempre bom em fazer contas, o nosso jornalista de plantão disse que a contagem final teria que fechar em 100 por cento. Mas o órgão pesquisador não observou essa falha?

Falando em pesquisa, uma feita por este O Repórter, mostra que 30 por cento do eleitorado fazendense ainda não definiu em quem votar para prefeito, em 15 de novembro. Isso, nos leva a deduzir, que a eleição está completamente aberta em Fazenda Rio Grande, embora tenha candidato mostrando pesquisa que está na frente, etc e tal.

Domingo é dia 1º de novembro, ou seja, faltando duas semanas para o pleito eleitoral, que vai definir os vencedores as prefeituras e legislativos, Brasil afora. O Cartório Eleitoral de Fazenda Rio Grande, que atende ainda Piên, Agudos do Sul e Mandirituba, está finalizando os preparativos para que a eleição transcorra dentro da normalidade.

Importante avisar aos candidatos, cabos eleitorais e fiscais de partidos, que a justiça eleitoral definiu um plano de ação, que vai evitar a chamada boca de urna. Qualquer irregularidade cometida, a pessoa será convidada a ficar por umas horas de castigo e pagar pela infração. Bom feriado prolongado a quem tem direito. Excelente semana a todos e todas.

Veja também...