Programa Agroindústria Queijeira Legal serviu de referência para regularização de fábrica rural de linguiças

 Programa Agroindústria Queijeira Legal serviu de referência para regularização de fábrica rural de linguiças
Compartilhe

Desde 2023, o trabalho de acompanhamento técnico e apoio à regularização de pequenas queijarias de Araucária, realizado por meio da Secretaria de Agricultura (SMAG), passou a contar com respaldo legal (lei nº 4.267/2023) do Programa Agroindústria Queijeira Legal. Recentemente, esse programa serviu de referência para o processo de regularização, com o apoio técnico da Prefeitura, de uma fábrica de linguiças na região do Rio Verde, área rural do município. O processo de regularização é importante não apenas por possibilitar a venda legal do produto rotulado em estabelecimentos comerciais do município. É também uma segurança para o consumidor sobre a origem, composição e processos adequados na elaboração dos produtos; sem falar na geração de renda no campo.

A lei 4.267/2023 é importante por incentivar a política pública de apoio às famílias do campo, além de possibilitar o apoio por meio de recursos da Prefeitura. Na localidade do Rio Verde, o casal Kátia Maria Durau Blaginski e Rodrigo Blaginski sonham alto em construir um amplo espaço para a agroindústria de linguiça colonial próximo à residência. No momento, há questões que ainda não permitiram que isso seja possível. Mas, por meio da lei citada, foi possível viabilizar a regularização da produção dessas linguiças e, hoje, vender o produto com rótulo, garantindo novos mercados.

O trabalho de orientação e acompanhamento realizado pelos profissionais da Secretaria Municipal de Agricultura (SMAG) possibilitou a adequação às normas necessárias por meio de ajustes na atual estrutura onde ocorre a produção dos embutidos. Parte de uma ampla garagem da família Blaginski foi isolada e adequada para se integrar à estrutura da fábrica. O casal contratou uma engenheira de alimentos que atua como responsável técnica pelo estabelecimento, apoio profissional que também ajudou a agilizar a regularização. “A gente viu que é possível um pequeno [produtor] se regularizar”, comentou Kátia, acrescentando que a regularização já está “abrindo muitos caminhos”. De origem italiana e polonesa, o casal morador do Rio Verde viu que é possível preservar a tradição de um produto produzido na família há muitos anos (com produtos naturais e defumação artesanal) e, ao mesmo tempo, garantir as condições necessárias e legais para a sua comercialização, incluindo em feiras e eventos. E a tradição familiar deve ganhar novos capítulos, já que os dois filhos do casal gostam de acompanhar de perto a rotina da fábrica.

Esses negócios rurais acompanhados pelos técnicos da SMAG recebem um Selo de Inspeção Municipal Provisório (SIM) antes do SIM “convencional” após a formalização. O SIM é a certificação municipal de que o produto de origem animal foi elaborado/preparado seguindo os critérios de qualidade sanitária necessários e que, por isso, pode ser comercializado em estabelecimentos do município. O SIM provisório foi uma solução implantada pela SMAG considerada fundamental para que essas pequenas atividades pudessem continuar ao longo desse período de acompanhamento técnico da SMAG e adaptações necessárias. É importante destacar que os produtos não deixam de ser ‘coloniais’ ao passarem por processo de regularização. Pelo contrário, a regularização pode confirmar e valorizar a origem, a tradição e a qualidade dos chamados ‘produtos coloniais’.

SELO DE INSPEÇÃO nº 002 – Se na localidade do Rio Verde o processo de regularização da produção de linguiça colonial é recente, no Campina da Barra, área urbana de Araucária, há um estabelecimento que tem muitos anos no mercado e pode ser exemplo de como estar dentro da legislação ajuda nos negócios. Silvana Rocha é a atual proprietária da fábrica que, além de linguiça, produz salame, bacon, costelinha defumada, entre outros produtos. Ela adquiriu o estabelecimento, há cerca de sete anos, já regularizado, sendo o número 002 do Selo de Inspeção Municipal de Araucária, algo que se orgulha e que exibe na placa que fica na fachada do estabelecimento, que comanda com o apoio da irmã Ilma Rocha. Mesmo com a regularização, o estabelecimento sempre conta com acompanhamento técnico da Prefeitura/SMAG, as fiscalizações de rotina e realiza os exames laboratoriais necessários nos produtos. O trabalho de orientação pela Prefeitura é contínuo e Silvana reconhece isso como um apoio importante ao negócio.

Os produtores citados neste texto, assim como representantes das queijarias regularizadas e outros produtores rurais, participam da Feira Livre ao sábados na Praça da Bíblia, na região do CSU.

oreporter

Related post

Enviar comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Isso vai fechar em 5 segundos