DestaquePiênSem categoria

Piên: há 56 anos fazendo história

Hoje (01), a cidade de Piên comemora seus 56 anos de emancipação, mostrando cada vez mais independência e crescimento

A cidade de Piên completa, hoje (01), mais um ano de emancipação, mostrando cada vez mais independência e garra para um crescimento ordenado. A cidade foi emancipada politicamente de Rio Negro em 01 de novembro de 1961 e está localizada na região sudeste do Paraná, formada também pelos municípios de Agudos do Sul, Campo do Tenente, Lapa, Quitandinha, Rio Negro e Tijucas do Sul. De acordo com dados do IBGE (2017), o município possui uma população estimada de 12.455 habitantes e um alto Índice de Desenvolvimento Econômico (IDH).

 

Um pouco de história

De origem portuguesa, alguns componentes da família Vieira, moradores do município de Morretes, no litoral paranaense, se dirigiram para o interior do Estado em busca de um local para fixarem-se em definitivo. Saindo de Morretes, liderados por Antonio Vieira, encontraram a localidade de Tietê, onde permaneceram por algum tempo. Reiniciando a caminhada chegaram a uma localidade que mais tarde viria a se chamar Piên.

 

Quando as famílias chegaram, encontraram, na região, um grande número de gaviões, dos quais o piar lembrava a palavra que nomeou o nosso município. Isso ocorreu por volta de 1850, quando a região ainda era habitada por índios pacíficos Tupi-Guarani, o que levantou outra teoria sobre a origem do nome Piên: para o historiador Manuel Machuca, Piên significa coração, na língua indígena Tupi-Guarani.

 

As primeiras fontes de renda desses pioneiros eram a erva-mate, o feijão e a farinha de milho, preparada em um monjolinho comunitário. Mais tarde, passou a escoar sua produção de madeira, erva-mate e cereais via São Bento do Sul, em Santa Catarina.

 

Em 1927 foi criada uma Sociedade de Agricultura, possuindo 52 sócios. Já o Distrito Policial foi instalado em 1890 e o Distrito Judiciário, em 1905. Piên era considerado um Distrito de Rio Negro, ficando a 61 km de distância de seu município. Através do caminho que ligava a Comarca de Rio negrinho ao Distrito de Piên, os produtores passaram a fazer trocas de mercadorias. Em seguida, surgiu a primeira casa comercial do local.

 

Em 1920, o povoado contava com 12 casas, localizadas em uma região calma, sossegada e rodeada por mata. Em 1928, a população já era calculada em 3 mil habitantes, com uma seção eleitoral de 157 eleitores. Assim, o povoado foi aumentando, outras famílias foram se instalando e desenvolvendo, principalmente, a agricultura.

 

O município de Piên foi criado pela Lei Estadual nº 4338, de 07 de fevereiro de 1961 e emancipado de Rio Negro no dia 01 de novembro do mesmo ano, com a posse do primeiro prefeito: Frederico Guilherme Giese e vice Reinaldo de Oliveira Mendes e dos primeiros vereadores da Câmara Municipal: Pedro Baümel, Júlio Vieira da Silva, Jacob Ritzmann, João Fleischmann, Gregório Honório de Almeida, Roberto Füert, Heinz Neumann, Carlos Fernando Jung e Joaquim Taborda.

 

Sustento

 

A economia do município, durante algum tempo, esteve baseada na agricultura, em culturas de produtos como batata-salsa, trigo, arroz, frutas, com destaque para milho e tabaco. O município possui aproximadamente 1,5 mil pequenas propriedades rurais, e a qualidade de vida na região está entre as melhores do estado.

Em 1996, a cidade começou a conhecer o desenvolvimento industrial. Com a implantação da empresa Portuguesa Tafisa, atualmente Arauco, o município iniciou um processo de adaptação frente a uma nova realidade econômica e que somada às outras empresas já estabelecidas, como a Famossul, as indústrias tomaram seu lugar como carro chefe na renda do município.

 

A agricultura, em consequência, também se desenvolveu e, em pouco mais de cinco anos, a cidade passou da 370ª posição em arrecadação para a 82ª colocação, falando em nível de Paraná, que possui 399 municípios. Na região, o município de Piên destaca-se pela cordialidade de seu povo e pelo crescimento sustentado, com um alto Índice de desenvolvimento humano (IDH).

Por Pâmela Ritzmann de Lima

Continuar lendo

Artigos Relacionados

Skip to content