Agudos do SulAgudos do SulCidadesDestaqueEspecialParanáPiênPiênÚltimas Notícias

De mãos vazias: agricultores de Agudos do Sul e Piên perdem produções de tabaco devido à queda de energia

Os moradores de Agudos do Sul e Piên enfrentaram uma forte queda de energia no último final de semana. O problema começou na noite de domingo (28) e persistiu até a segunda. Além do transtorno em si, produtores de fumo acabaram perdendo sua fonte de renda.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Piên, Agnaldo Martins, a perda foi grande. “Teve pessoa que perdeu até R$ 30 mil numa noite só”, disse. Além disso, esse mesmo problema vem ocorrendo há anos, o que deixa os produtores indignados.

A fumicultura é uma das principais fontes de renda nas duas cidades. O plantio começa em setembro e, até fevereiro e março, os agricultores executam a colheita. Muitas das produções estavam na estufa quando houve a queda de energia.

tabaco

O presidente acredita que muito se deve ao tempo de chuva, mas ainda assim, acredita que melhorias precisam ser pensadas, ao menos nessa época.

“Eu acho que a Copel tem que reforçar as linhas de luz, que talvez estejam sobrecarregadas. O que a gente percebe que tá faltando também são equipes de plantão nessa época. Por exemplo, aqui em Piên não tem. Falam que tem em Agudos, eu não sei, mas aí é pra atender Agudos, Piên e uma parte de Rio Negro também. Aí imagina, dá um temporal desse, uma queda de luz, como que vai atender todo mundo?”, aponta Martins.

Em relação ao problema já ocasionado, ele diz que o sindicato está orientando os produtores a registrar em foto os plantios perdidos e também a ligar na Copel e reclamar o ocorrido, sem esquecer de anotar o protocolo de atendimento.  Após esses procedimentos, o sindicato encaminha os agricultores à justiça, para que entrem com uma ação, pedindo indenização.

Segundo ele, no ano passado foram encaminhados 32 casos à justiça e só agora estão sendo realizadas as audiências. É um processo que demora, mas ele garante que as pessoas são indenizadas, muito embora não fosse o que esperavam os produtores.

Por: Dayanne Wozhiak

Continuar lendo

Artigos Relacionados

Skip to content